Destinos Cruzados - Capitulo 16

A voz chata daquela mulher me deixava cada vez mais agoniada. Eu tinha ligado pelo menos umas 10 vezes para Micael e sempre caia na caixa postal, eu até já sabia o que a mulher dizia.


Tentei de novo. Comecei a caminhar pelo meu quarto. Ele não me atendia. Me sentei na cama e suspirei ainda com o celular na mão. Olhei a hora. A delegacia ainda estaria aberta. Liguei para a delegacia sem pensar duas vezes.
A secretária que me atendeu no dia em que fui me entregar, me atendeu de novo dessa vez por telefone. Ela me disse que Micael hoje estava de folga e por tanto não ia poder me atender. 

Impulsada pelo desespero,  perguntei a ela o endereço da casa dele. Ela me disse que era informação confidencial. Pedi e supliquei e finalmente consegui o endereço. Anotei em uma folha de papel. Me olhei no espelho antes de pegar a minha bolsa e a minha jaqueta e sair do meu quarto em direção a rua. 
Quando cheguei na sala, a minha mãe estava olhando um programa na televisão. 
Sophia: Mãe, eu to indo embora já venho.
Branca: Como assim Sophia?
Sophia: Ai mãe, eu estou sem tempo pra explicar depois eu te conto.
Branca: Sophia você está muito estranha minha filha.
Sophia: Mãe, é impressão sua. Tchau, beijo.
Mandei um beijo no ar pra minha mãe e fui embora. Assim que sai na rua pedi um táxi e falei para o moço o endereço. Uns vinte minutos depois cheguei no prédio onde Micael morava.
Desci do táxi após ter pagado o moço e fechei a porta. Entrei no prédio. O porteiro estava na porta e antes que eu pudesse falar nada ele já tinha me perguntado o que eu queria. 
Sophia: Gostaria de saber em que apartamento mora  o senhor Micael Borges.
Alfredo: A senhora é um parente do senhor Micael?
Sophia: Não...
Alfredo: Então não  posso lhe dar essa informação.
Que droga, agora eu não ia poder falar com o Micael. A não ser...
Sophia: Mas eu sou a namorada dele.
Alfredo: Nunca vi você por aqui.
Sophia: É que eu estou de visita sabe, então é a primeira vez que venho aqui.
O porteiro deu um sorriso desconfiado mas mesmo assim, me deu o numero do apartamento.
O numero 158 ecoava em minha cabeça, era o primeiro andar então não tive muito tempo pra pensar em nada dentro do elevador.
Assim que avistei a porta toquei a campainha. Esperei um tempo mas ninguém atendeu. Voltei a tocar a campainha, mas ninguém me atendeu. Decidi volver a toca-la.  A porta se abriu e eu vi Micael sem camisa apenas com uma bermuda.
Tive que resitir para não morder o meu lábio ao ver aquilo em minha frente, ele realmente era muito bonito.
Micael: Sophia? O que você está fazendo aqui?
Sophia: Micael eu preciso da sua ajuda.
Acho que ele notou em meu rosto a desesperação de compartilhar o que tinha acontecido. A mão dele me abriu passagem e eu entrei em aquele apartamento. 
Micael: Senta, por favor.
Me sentei no sofa e ele do meu lado.
Micael: Pode começar.
O meu celular começou a tocar e eu olhei a tela. O numero que eu mais temia que aparecesse, apareceu. Olhei para Micael que tentou descifrar a minha feição. O mundo estava cainda em aquele momento e eu não tinha forças suficientes para carrega-lo sozinha.

------
Oi pessoal!! Finalmente voltei! Consegui dar um jeito de postar e agora sim não vou sumir mais. Estão gostando da web?

6 comentários: