Destinos Cruzados- Capitulo 17

Micael ainda me olhava preocupado. Eu queria contar tudo pra ele , mas algo me dizia que devia ficar calada.

Micael: O que foi Sophia?
Eu me lembrei das palavras ditas pelo homem que tinha me ligado, lembrei da minha mãe.
Sophia: Eu não posso te contar - Me levantei e fui caminhando até aporta. Senti uma mão me segurar o braço.-
Micael: Não vai embora, eu vi que você não ta bem. Senta aqui e me conta. - Ele disse apontando pro sofá.
Assenti e me sentei no sofá com ele.
Micael: Me conta, o que foi?
Antes de falar nada, pensei que si, eu real mente contava o que tinham me dito na ligação, deveria admitir que não fui eu quem matei o Miguel.
Sophia: Eu vou te contar tudo. Mas você não pode contar pra ninguém, nem me interromper. Certo?
Micael: Certo.
Sophia: Eu amava o Miguel. A gente era apaixonado um pelo outro. Até que um dia eu vi que ele estava muito nervoso. As semanas iam se passando e ele continuava estressado. Ele recebeu uma mensagem, queriam matar ele. Eu fiquei nervosa e preocupada.Até que eu descobri um endereço. E fui até lá. Eles me falaram que devia ter cuidado porque eles não brincavam de matar. Depois disso, alguém entrou no nosso apartamento e matou o Miguel. Eu fui pra cima dele pra tentar reanimá -lo. As últimas palavras dele foram que eu tinha que ser feliz, por ele. Minhas roupas estavam manchadas do sangue dele, e qualquer pessoa pensaria que eu seria a  assassina por uma traição ou uma briga por parte dele. Então resolvi assumir o crime. Porque quanto mais perto eu estava da delegacia, mais longe eu estava deles. Até que hoje eu recebi uma ligação , eles me falaram que eu estava fazendo bem o meu trabalho assumindo o assassinato e que se eu contasse alguma coisa pra alguém eles ião matar a minha mãe. Micael eu não posso deixar isso acontecer.
Nessa hora, eu já estava chorando aos prantos. Micael se aproximou de mim e começou a acariciar levemente os meus cabelos.
Micael: Eu não vou deixar ninguém fazer nada com você. Eu vou te proteger. Vou estar aqui contigo.
Eu assenti em meio as lágrimas e fechei os olhos. Eu escutava as nossas respirações unidas em uma melodia única, como aquilo era maravilhoso.

4 comentários: