Reviravolta - Capitulo 21

E então mais um mê tinha se passado. Sophia já estava comprando coisas para a sua filha com a ajuda de Larissa, por que não podia comprar nada muito caro para que seu pai não desconfiasse. Tinha decorado um quarto na casa que vivia. O quarto tinha as paredes lilases e a mobília branca, roupa de cama e enfeites em diferentes tons de roxo, o que fazia ela ficar imaginando o rostinho da filha a cada vez que entrava ali.

Destinos Cruzados - Capitulo 21

As mãos dele percorriam todo o meu  corpo. Os meus gemidos abafados eram calados pelos beijos de Micael.

Reviravolta - Capitulo 20

Narrador.
Doutora Stephany foi a melhor entre uma seleção de obstetras brasileiras que Sophia encontrou. Ela falava inglês fluentemente, mas ainda sim optara por uma brasileira. Sophia entrou na sala acompanhada da amiga e sorriu para a medica.

Reviravolta - Capitulo 19

- Não quero voltar nessa historia, por favor, respeita meu querer. – Disse e depois voltei a abaixar a cabeça entre os joelhos.
- Eu sou a sua namorada e eu mereço saber quem é essa menina! – Falou entredentes, dava pra se ouvir na voz a sua raiva.

- Manu, nós nunca brigamos, por favor não vamos fazer isso agora. – Meu tom era de suplica, eu realmente não queria brigar com ela agora.
- Eu não vou ficar calma enquanto você não me dizer quem é essa vagabun... – E então eu a interrompi.
-Não fala assim dela, você não a conhece! – Disse num tom forte, porém sem gritar.
- Ah vai defender? Tava ai cheio de raivinha. – Debochou com um sorriso irônico nos lábios.
- O fato de eu ter raiva dela, não diz que você ou qualquer outra pessoa possa falar mal dela, ta me entendendo? – Expliquei com a mesma entonação na voz. Ela pareceu pensar.
- Quem é essa menina, fala de uma vez. – Fechou o sorriso e falou séria.

Eu respirei fundo, sabia que voltar nessa historia me magoaria muito, mas também sentia que a Manu merecia saber. Eu levantei a cabeça e coloquei os dedos entre os olhos pensando se deveria mesmo falar. Quando voltei a olhar, ela ainda estava seria e sentada na mesma posição que eu só que abraçando os joelhos.

- E então? – Indagou.
- Sophia foi... – Respirei fundo novamente – Foi uma pessoa muito importante. E só. – Resumi.
- Micael... Conta a historia por trás dessa mulher logo de uma vez. – Agora estava impaciente.
- Sophia me ajudou quando todos me viraram as costas. Eu era um nada e não tinha nada. Ela cuidou de mim, me tirou da rua e me incentivou a querer estudar e ser alguém na vida.
- Como você a conheceu? – Sua voz já estava normal agora que eu estava falando.
- Eu era um ladrãozinho Manuele. – Não a olhei nos olhos – Era isso que queria saber? Então você vai saber – Falei alto. – Eu tentei assaltar a Sophia, e ela simplesmente me ajudou. Foi isso que aconteceu, nós nos encantamos um com o outro... Mas como tudo que é bom dura pouco, nosso romance durou apenas três dias.
- O que aconteceu? – Questionou curiosa.
- Ela me deixou, sumiu e eu nunca tive noticias... Só uma carta e mais nada. – Eu sabia que meus olhos iriam se encher de lagrimas. – Eu tenho raiva dela, mas não admito que ninguém fale nada dela, porque foi ela que me fez levantar e poder andar por ai de cabeça erguida. Entendeu? – Agora eu olhei pra ela.
- Você ainda a ama – Ela afirmou.
- Não! – Respondi.
- Eu não perguntei, eu afirmei. Você ama, e nunca superou ela ter te deixado. – Deu de ombros meio triste e se levantou.
- Onde você vai? – Perguntei me levantando também.
- Para casa, tenho muito o que pensar. – Me deu um beijo no rosto.
- Manu, para cara. Tudo que eu te contei é uma parte do meu passado que eu não gosto de mexer. Esquece isso. – Eu a abracei.
- Micael, eu sinceramente não sei se quero um namorado que ama outra pessoa. – Se livrou do meu abraço e foi andando pra longe de mim...

Eu me deitei no chão e fiquei olhando para o céu, ahh Sophia, por que fez isso comigo?

Sophia narrando.

- Vamos logo Larissa! – Eu a apressava.

Estavamos indo ao hospital fazer uma ultra e se tudo desse certo hoje descobriremos se é menina ou menino. Eu já estava com seis meses e meu príncipe ou princesa não queria abrir as perninhas pra eu saber o sexo.

- Estou indo minha filha, mantenha a calma! – Ela vinha correndo e com as chaves do carro.
- Sabe que estamos atrasadas né? – Dei bronca.
- Não tem problema, grávidas podem atrasar! – Ela justificou.
- Não Larissa, noivas podem atrasar, grávidas não. – Eu neguei com a cabeça e passei a mão no rosto. – Se fosse assim todas iam atrasar né, já que é um consultório de obstetrícia.
- Ah Sophia, você entendeu. Não se faça de burra, e vamos logo que estamos atrasadas!


Ela passou correndo a minha frente e entrou no carro como se eu estivesse atrasando ela, essa menina não era fácil. Nós até que chegamos rápido, então não perdemos a vez. Eu era a próxima da lista. Minutinhos de agonia até que a medica que me acompanhava me chamou e nós entramos. 

Reviravolta - Capitulo 18

Sophia Narrando.

Eu não tinha nada, não tinha uma casa, um trabalho, nem meu amor... mas saber que um bebezinho crescia ali dentro da minha barriga me fez sentir a menina mais especial de todo o mundo. Eu não conseguia falar, só chorava e eu sentia que a Larissa já estava agoniada querendo saber a resposta.
Ela tomou o papel da minha mão e começou a pular assim que viu o positivo escrito bem grande no papel.

Reviravolta - Capitulo 17

Narrador

Os dias se passavam arrastados para os dois e ambos estavam seguindo com as suas vidas. Sophia tinha descoberto a gravidez com apenas um mês, depois de muito enjoar com o perfume que tinha ganhado de Larissa.

Reviravolta - Capitulo 15

Poucas vezes na vida tinha muito sentido debater com o meu pai, e nesse momento eu sabia que se ele quisesse me mandar pra fora do país ele faria isso. Eu estava sem reação, não sabia muito o que fazer nem o que falar. Subi as escadas em direção ao meu quarto e abri o armário. A maioria das minhas roupas não estavam mais ali e então eu mais uma vez comecei a chorar.

Reviravolta - Capitulo 14 Bônus

O Beijo foi intenso, tão intenso que quando eu vi já estava sentada no colo dele e tirando a sua camisa. Nossas respirações estavam descompassadas e o beijo feroz.

Reviravolta - Capitulo 13

Cheguei em casa com a cara amarrada e um bico imenso e como já era de se esperar, lá estava meus pai pronto para me dar as boas vindas. Minha mãe, agora parada ao lado dele tinha uma cara de enterro que eu não entendia nada.

Reviravolta - Capitulo 12

Nós voltamos para a frente da televisão e agora estávamos assistindo sem falar. Eu estava com aquele beijo na cabeça e aposto que ele também. Meu celular tocou desviando nossa atenção.

Reviravolta - Capitulo 11

Nos separamos e estavamos com muita vergonha, então me levantei rápido e sem olhar para ele e comecei a juntar minhas coisas para ir embora.
- Onde você vai? – Perguntou confuso.

Reviravolta - Capitulo 10

A nossa tarde foi maravilhosa, eu amei a reação dele a cada pedacinho da casa que eu mostrava. Estava feliz e era possivel ver isso. Terminamos na sala, deitados no chão.
- Tô com fome. - Falei em um tempo que ficamos em silencio.
- Pior que eu também, tem comida aqui? - Ele perguntou coçando a cabeça.

Reviravolta - Capitulo 9

No caminho de volta eu me sentei em um banco que tinha ali perto do estacionamento. Tirei meu celular e fiquei ali olhando a tela inicial sem  saber o que fazer para encontra - lo.
Senti mãos taparem os meus olhos e me assustei, nem sabia que tinha ninguém ali sentado comigo.

Destinos Cruzados - Capitulo 20

As mãos  de Micael estavam entrelaçadas um pouco acima da minha cintura. Eu continuava sentindo aquele cheiro maravilhoso, até que decidi me separar.

Reviravolta - Capitulo 8

- Olha Sophia, vamos tomar café primeiro... Depois conversamos. - Passou uma das mãos pelo pescoço.
- Pai, fala logo. - Disse séria.

Reviravolta - Capitulo 7

- Sophia eu não acredito que você está pedindo isso para os seus pais. - Lua disse com raiva.
- O que você tem a ver com a minha vida? - Disse com desprezo. - Está se metendo demais, que eu me lembre não pedi a sua ajuda.

Destinos Cruzados - Capitulo 19

Meu pai estreitou os olhos e continou com a mesma feição desde o momento em que se levantou.