Amor Demais - Capítulo 77

- Bom, esse é meu quarto. – Eu acendi a luz e sorri ao entrar ali mais uma vez. A imensa cama de casal encostada na parede e o armário com as portas de espelho eram o grande destaque do quarto.

Amor Demais - Capítulo 76

Acordei com o Piloto dizendo novamente pra apertarmos os cintos que já íamos pousar. Até que a viagem tinha sido rápida, ou eu mesmo que nem reparei. Minha filha ainda dormia, agora encostada em mim e Micael acordou junto comigo e me deu um selinho. Estava tudo escuro do lado de fora e eu senti meus ouvidos zumbindo quando o avião começou a descer.

Amor Demais - Capítulo 75

- Sim, teve uma época que eu era bem feliz lá. – Dei de ombros. – Assim como teve uma época que você foi feliz aqui com a Jéssica ué.

Amor Demais - Capítulo 74

- Culpa sua, claro. – Sentei de novo ao seu lado e lhe dei um beijinho. Ele sorriu.
- Culpa de todo mundo, sua também moça. – Se levantou e segurou minha mão. – Vem, vamos tomar banho. – Eu sorri e nós fomos pro banheiro.

Amor Demais - Capítulo 73

- Laura quer falar com você. – Eu disse a Dudu.
- Passa pra ela então né linda. – Ele riu e eu entreguei o telefone. Ela saiu de perto da gente conversando e eu só observei a cara feia de Micael.

Amor Demais - Capítulo 72

- Pois é, ai ela resolveu aparecer aqui e infernizar minha vida. Disse que sabia que você tinha viajado e que “a criança” estava aqui comigo. Teve a pachorra de olhar na minha cara e dizer que eu não saberia cuidar da neta dela e por isso ela veio buscar. – No final da frase ele tinha os punhos cerrados.

Amor Demais - Capítulo 71

- Deve ser a sua filha, sabia? – Se levantou colocando uma bermuda, sem cueca.
- As vezes acho que a Jéssica faz de proposito. – Bufei e ele riu ainda mais.

Meu Doce Amor - Capitulo 11






31 de Julho de 2015

Micael narrando

Pego a bandeja com nosso pedidos e vou até a mesa onde Sophia está sentada.

Amor Demais - Capítulo 70

- Você tem sete anos? – Micael perguntou rindo.
- Claro que tenho! – Mandou língua pro pai.
- Você tem razão filha. – Eu cheguei perto e a abracei. – Vai com a Jéssica e curte o sábado, quando chegar estaremos te esperando. – Deu um beijo na minha bochecha.

Meu Doce Amor - Capitulo 10





Domingo, 31 de Julho de 2015

Sophia narrando.

Eu finalmente dei a resposta para Micael.

Amor Demais - Capítulo 69

- Até parece, minha família deve estar vibrando por ai, com certeza estão espiando.
- Micael, até a Jéssica tá aqui. – Eu realmente estava com vergonha. Eu me afastei para olha-lo.
- Jéssica é o menor dos problemas. Ela é uma amiga, Sophia.

Amor Demais - Capítulo 68

- Não, só uma visita mesmo. – Ri.
- Que pena, tô esperando ansioso por isso.
- Ih, vô... – Laura começou. – O problema ta na minha mãe.
- Olha aí o mundo dando voltas né. – Ele riu. – Nem parece que não era você que queria terminar.

Meu Doce Amor - Capitulo 9







Domingo, 31 de Julho de 2015

Micael narrando

Bato na porta do quarto de Duda no hospital.

Amor Demais - Capítulo 67

- Mamãe! – Laura veio abrir o portão pra mim. – Que bom que a senhora veio mesmo.
- Claro meu amor, eu disse a sua vó que eu ia vir. – Lhe dei um abraço assim que entrei.

Amor Demais - Capítulo 66

- Por que você me puxou com tanta pressa Melanie? – Eu disse enquanto retocava o batom, olhando no espelho.
- Porque queria companhia pra vir ao banheiro ué. – Deu de ombros e entrou em um box.

Meu Doce Amor - Capitulo 8








Domingo,31 de Julho de 2015

Sophia narrando

Desco do ônibus que me trouxe até o hopital segurando uma caixa cheia de cupcakes e algumas bolachas

Amor Demais - Capítulo 65

- Deveria visita-la.
- Não posso aparecer na casa da mãe do Micael. – Rolei os olhos com a obviedade daquilo.
- Ela te tem como uma filha, Sophia. Vai adorar te rever.

Amor Demais - Capítulo 64

- Soph, é uma saída dos seis... – Argumentou e eu rolei os olhos.
- Jéssica vai no meu lugar, ai vocês serão seis.
- Você sabe muito bem que a gente não gosta da Jéssica.

Amor Demais - Capítulo 63

- Mas estou recusando. Vou fazer algumas campanhas, algo mais casual. Não quero algo tão sério assim, acabei de voltar.

Amor Demais - Capítulo 62

- Por que a senhora não responde no grupo? – Lua disse brava assim que entrou em meu apartamento.
- Porque aquele grupo é ridículo.

Meu Doce Amor - Bônus




Sábado, 30 de Julho de 2015

Sophia narrando:

Elisa Borges sobe até o pequeno palco que estava instalado no salão e pega o microfone.

Amor Demais - Capítulo 61

Fiquei deitado no sofá olhando para o teto por tanto tempo que eu nem sei quanto foi. Sentimentos misturados sobre Sophia e Jéssica enchiam minha mente a ponto de eu não saber nem mais o que pensar. Parte de mim queria pegar o telefone e ligar pra Sophia agora, me entender com ela e avisar que podíamos tentar mesmo com ela assinando aquele contrato. Mas infelizmente, uma outra parte de mim queria que ela não assinasse aquele contrato e aparecesse aqui dizendo que se importa com a nossa família mais do que com aquele trabalho.

Meu Doce Amor - Capitulo 7




Sábado, 30 de Julho de 2015

Sophia narrando:

Assim que a última caixa sai da confeitaria, carregada pelos moços enviados por Elisa Borges, eu suspiro e tiro o meu avental.

Amor Demais - Capítulo 60

- Sabe que você não existe né? – Sorri pra ela de volta. – Mas acho que não vai dar certo.
- Acho que já te dei força demais pra ficar com ela, não vou fazer mais isso. – Nós rimos.

Amor Demais - Capítulo 59

- Já esta falando besteira. – Se aproximou de mim e tentou me segurar pelos braços, mas eu me soltei.

Meu Doce Amor - Capitulo 6





Sábado,30 de Julho de 2015

Micael narrando:

A semana se passou muito rápido. Hoje é o dia da inauguração da Fem, a boutique da minha mãe. Me olho no espelho antes de sair do quarto. Hoje decidi vestir uma camisa polo azul marinho, coloquei uma calça chino bege e um tênis de couro marrom escuro. Penteio meu cabelo molhado para trás e coloco um perfume. Antes de sair coloco meu relógio. Vou até o quarto de Duda.
Abro a porta e a vejo dormindo como um anjo. O quarto de Maria Eduarda é lindo. Minha mãe minha irmã decoraram ele assim que nós mudamos para cá. Ele é grande demais para ela ter espaço para brincar. O chão é de parquet bem claro. A parede onde está a cama é de uma cor cinza e cheia de núvens brancas e douradas formando filas retas. Encima da cama tem uma estante com alguns objetos decorativos e uma lámpada em forma de núvem. O estrado * é de um azul vivo e de ferro assim como a cadeira em forma de flor que está perto da janela. Sobre a mesma cadeira há várias almofadas e ao lado uma cómoda com as cores rosa bebê, azul claro, branco e cinza.
A direita há duas portas corredeiras, uma delas tem um elefante rosa com um chuveiro sobre ele, indicando que é o banheiro. O banheiro é bem simples, já que ela só o usa para fazer suas higienes. A porta do lado é o pequeno closet da Maria Eduarda. Eu não queria que ela tivesse um closet, pelo menos não agora, mas minha irmã e minha mãe insistiram então acabei aceitando. O closet está dividido em seções: escola, festas, dias de semana, ballet,algumas fantasias.... Em cada seção há um espaço para colocar as roupas e os sapatos que podem ser usados. Depois disso, na parte sobrante da esquerda, há outra cômoda, maior que a outra que está ao lado da cadeira. Ali estão os pijamas, meias, calcinhas, xuxinhas, tiaras e tudo o que você possa imaginar para uma criança de cinco anos. Do lado da cômoda há uma seção só pra mochilas e lancheiras coisa que Duda adora.
Me sento na cama com cuidado e acaricio o cabelo de Duda.
Duda... Eu digo coom calma Acorda meu amor.
Ah não papai Ela diz dando meia vola pro outro lado
Vamos Duda Vamos chegar atrasados.
Só mais cinco horinhas papai.
Eu rio.
Dá onde você tirou isso?
Uma moça falou na série da tia Dani.
Vamos filha Eu digo fazendo cosquinhas nela.
Para papai! — Ela reclama. Duda se senta na cama e esfrega os olhinhos. Com voz de choro ela fala — Eu quero dormir
Não precisa chorar filha. Vem vamos tomar banho, coloca sua pantufa.
Mas eu não quero! — Ela diz fazendo birra.
Maria Eduarda não vou repetir. Para de fazer birra você sabe que eu não gosto disso. Vamos levanta.
Ela coloca sua pantufa e eu a levo até o banheiro. Dou um banho nela e lavo seu cabelo. Eu visto uma calça jeans azul e uma camiseta de manga cumprida branca nela. Calço um tenis branco e coloco uma jaqueta de estampa floral nela. Demoro quase uma hora em arrumar o cabelo de Maria Eduarda, desembaraço, fito e dou volume aos seus cachos com o difusor. Ajudo ela a escovar os dentes e descemos para tomar café.
Minha irmã entra na sala de jantar vestida com o uniforme de médica.
Tia Dani porque você está vestida toda de branco se ainda não é ano novo? — Duda pergunta antes de comer um pedaço de pão com presunto.
Porque vou ir trabalhar no hospital anjinho
Mas tia você tem que vir pro clube com a gente.
Hoje não vai dar Madu — Ela fala beijando a testa dela.
Mas nós iremos nós divertir muito lá. — Meu pai fala para ela.
Cadê a vovó, papai? — Duda pergunta me olhando.
Ela está arrumando tudo para a festa de hoje.
Eu não quero ir papai, eu fico sem nada pra fazer porque lá não tem crianças! — Duda diz me olhando
Vai ter muitos doces pra você comer lá Madu. — Dani fala pegando uma maçã e mordendo-a em seguida.
Então eu não posso faltar — Minha filha diz com confiança .Todos rimos.
Estou indo família. Amo vocês. — Dani fala antes de sair da sala de jantar e de casa.
Tchau tia Dani! — Duda fala gritando
Não grita Maria Eduarda! — Eu a repreendo.
Foi só um gritinho papai — Duda diz rindo
Eu balanço a cabeça rindo. Meia hora depois nós chegamos no clube. Tirei Duda da caderinha e peguei em sua mão. Entramos na recepção e meu pai se vira pra mim.
Que horas começa a gincana? — Meu pai me pergunta. Eu olho para o meu relógio.
10 minutos
Certo, vou cumprimentar alguns amigos. Te vejo no campo de golfe.
Claro, assim que eu deixar Duda na gincana vou pra lá. — Meu pai assente e beija a testa de Duda e vá embora para o campo de golfe.


O dia se passa mais rápido do que eu esperava. Joguei golfe com alguns amigos do meu pai e almoçamos no restaurante do clube junto com minha mãe que nos contou algum incidente que houve com os moços que estavam arrumando a decoração da festa.
Voltamos para a casa e Duda dormiu no caminho de volta pra casa. A levei para seu quarto e a acordei para dar um banho nele.
Cadê os doces? — Ela pergunta depois de bocejar e esfregar seus olhos.
Não estamos na festa ainda, meu amor. Venha vamos tomar um banho.
Dou banho em Duda e coloco um vestido nela. A parte cima é branca com algumas flores desenhadas, além disto está dividido na cintura por uma fita e um laço com alguns brilhantes e com uma saia rodada cor creme. Faço um coque no cabelo de Duda e coloco uma sapatilha cor creme com brilhantes.
Pronta meu amor, você está linda.
Obrigada papai. Posso ir ver desenhos lá no seu quarto?
Sim, venha, vamos.
Vamos até o meu quarto e deixo Duda vendo desenhos enquanto vou tomar banho. Assim que termino, visto um terno preto, calça social, sapatos sociais, etc. Calço meus sapatos e coloco um pouco de perfume. Também coloco meu relógio.
Uau! Papai você está um gatinho. — Duda fala assim que me vê
Quem te ensinou essa palavra hein?
A tia Dani falou no outro dia quando estavamos vendo um comercial de perfume.
Acho que vou ter que ter uma conversinha com sua tia.
Papai, não. A tia Dani não precisa disso.
Eu rio e ela também. Olho meu relógio, está na hora de ir embora.
Mamãe está impressionante e Daniela radiante. Meu pai veste um terno assim como eu.
Chegamos na festa e cumprimento alguns convidados. Duda solta minha mão assim que vê uma moça loira de olhos azuis e corre até ela. Ela é linda, tem os olhos azuis como o mar e os cabelos ondulados nas pontas. Ela está usando um vestido longo cor aspargo. O vestido tem algumas pedras brilhantes na parte de cima. Além disso ele é aberto em uma perna e também nas costas.Eu corro atrás de Duda. Quando chego lá elas estão abraçadas
Maria Eduarda! — Eu digo firme.
Ups. — Ela diz e se vira pra mim.
Eu falei mil vezes pra você não soltar minha mão sem pedir antes.
Desculpa papai, mas eu queria abraçar a tia Sophia.
É um prazer conhece-lo, senhor Borges. — Ela me diz estendendo sua mão.
Me chame apenas de Micael, senhorita...?
Sophia, Sophia Abrahão. — Eu aperto sua mão
É um prazer conhece-la — Digo enquanto vejo como disfarçadamente Dani leva Duda com ela.
O prazer é todo meu Micael. — Ela sorri mostrando seus branquíssimos dentes.
Desculpe-me pelo atrevimento, Sophia. Mas como você conheceu a Duda?
Ela veio até a confeitaria onde eu trabalho junto com a mãe e eu fiquei com ela no tempo em que ela ficou lá.
Você trabalha em uma confeitaria?
Sim, ela é da minha tia. Fomos nós quem fizemos os doces para a festa.
Olhe, só com isso você já ganhou a Duda — Eu rio e ela me acompanha.
Fico feliz. Sua filha é uma criança maravilhosa.
Ela é. — Sophia assente concordando e eu sinto uma mão em meu ombro.
Me viro e vejo Arthur. Ele olha para Sophia e ela abre os olhos surpresa.
Arthur! Quanto tempo sem ver você — Ela diz se aproximando para abraçá-lo.
Você vive trancada naquela confeitaria — Eles riem.Arthur diz abraçando-a de lado.
Eu ia perguntar da onde eles se conhecem mas sou interrompido por uma voz ao microfone.
Atenção, damas e cavalheiros. Sejam bem-vindos a inauguração da boutique Fem. Por favor, dêm uma salva de palmas para a senhora Elisa Borges.
------------------------------
*Estrado : Parte da cama onde se coloca o colchão.

Oi docinhos!! Como vocês estão? Aqui está o capítulo da festa!! O capítulo da Sophia será o capitulo bônus! Gostaram? Eu nunca tinha escrito um capitulo tão grande rsrs! Comentem o que acharam! Beijos <3

Amor Demais - Capítulo 58

- Vou falar com ela, amor. – Me fez levantar e me abraçou. – Pode deixar que vou pedir a chave lá de casa também.
- Obrigada! – Funguei em seu peito e senti suas mãos apertando ainda mais a minha cintura.

Meu Doce Amor - Capitulo 5






Quarta – feira, 27 de Julho de 2015

Sophia narrando:

Elisa Borges é a mulher mais elegante que vi em 22 anos de vida.

Amor Demais - Capítulo 57

O corredor era num tom claro que me fazia sentir em casa. Várias portas de carvalho enfileiradas me fizeram ficar em duvida, mas ela tinha dito que era a primeira, então li o nome do Leonardo na porta e bati algumas vezes. Ouvi um entra baixinho e me surpreendi ao ver o tamanho da sala.

Amor Demais - Capítulo 56

- Oi, mãe. – Me deu um beijo no rosto e foi correndo pra sala novamente. Fui atrás e vi o motivo da pressa: Ela estava assistindo uma série e não tinha pausado.

- Tá vendo o que filha? – Perguntei e me sentei ao seu lado.

- O final da terceira temporada de Flash, mãe. Tá bem legal. – Ela disse e logo se virou para a televisão de novo.

- Eu imagino, mas você tem que se arrumar pra escola. Dá pausa e continua quando chegar. – Ela me olhou fazendo biquinho.

- Ah, não mãe! – Bufou e eu mantive meu rosto sério.

- Sim, senhora. – Ela levantou ainda com cara de raiva. – Pode ir para o banho. – Ela foi batendo o pé e quando estava fora de vista, eu soltei uma risadinha. Peguei o controle e pausei a série dela. Então eu ouvi um barulho vindo da porta.

Levantei e fui caminhando devagar até lá, não era possível que Micael estivesse chegando em casa uma hora dessa. E então, pra minha surpresa, Jéssica, com seus cabelos castanhos estava ali, fechando a porta.

- Como entrou? – Tentei esconder a irritação na minha voz, mas não adiantou muita coisa.

- Com a minha chave ué. – Disse como se fosse obvio e então começou a olhar em volta, provavelmente atrás de Laura.

- Não era pra você ter a chave daqui. – Era pra ser uma pergunta, mas devido ao meu nível de irritação, soou como uma acusação.

- Mas tenho. – Deu de ombros. – Onde está Laura? Vim para leva-la a escola.

- Eu vou levar a Laura pra escola. – Praticamente gritei isso e ela sorriu. – Já estou pronta pra isso.

- Não acredito que você está me proibindo, logo eu que sempre te ajudei... -  Se fez de vitima e eu rolei os olhos.

- Não estou proibindo nada. Só acho que ligar pra avisar não ia te matar. – Falei com todo veneno na voz e então antes que ela pudesse me responder, Laura apareceu correndo.

- Mamãe. – Falou empolgada, feliz por causa do tempo sem ver aquela mulher.

- Oi, filha. – Abaixou na altura de Laura e a abraçou. – Mamãe veio pra te levar pra escola.

- Oba! Já estou pronta. – Laura disse sorrindo.

- Falta arrumar esse cabelo, né bonita! – E falei e ela fez uma careta pra mim.

- Deixa que eu arrumo. – Jessica falou e Laura a puxou para o quarto com pressa.

    Eu não suportava saber que minha menina preferia aquela mulher a mim. Lembrar disse me deixava com muita raiva do Micael, mas principalmente de mim, por ter ficado ausente por tanto tempo. Eu teria que ter uma conversa seríssima com Micael sobre Jéssica, e sei que não seria nada agradável.

    Fui andando para o sofá e tirei a série que estava pausada e coloquei na tv aberta. Precisava de um barulho pra me distrair, ouvir os risos delas no quarto estava me incomodando. Não tinha sentido as lagrimas até que uma delas chegou a minha boca e eu senti seu gosto salgado. Sequei rapidamente e então as duas saíram do quarto, Laura me deu um beijo rápido na bochecha e então as duas saíram.

    Fiquei sentada por mais tempo do que deveria e então eu me levantei, peguei meus papéis do contrato e chamei um taxi, não estava bem pra dirigir. Eu ainda me lembrava onde é que Micael trabalhava e realmente esperava que fosse no mesmo lugar. Cheguei a firma de advocacia com meus papéis e um provável olhar triste. Uma menina consideravelmente jovem, com a pele negra e cabelo black, estava sentada atrás da recepção e sorriu ao me ver.

- Boa tarde, sou Aline, em que posso ajudar? – Ela tinha uma voz doce e eu forcei um sorriso.

- Boa tarde, Aline. – Acenei com a cabeça. – Estou a procura de um advogado trabalhista que possa me atender hoje ainda. – Eu falei com um pouco de desespero. A todo momento eu ficava olhando para os lados na esperança dele aparecer.

- Temos aqui o Dr. Leonardo. – Ela digitou alguma coisa no computador a sua frente. – Ele está livre.

- Otimo, será que eu posso vê-lo? – Ela acenou com a cabeça positivamente. – Primeira sala á esquerda, tem o nome dele na porta.

- Obrigada Aline. – Eu já ia virando pra ir encontrar o tal Leonardo, e então ouvi sua voz.

- Aline, estou tirando minha hora de almoço, se o Cristiano aparecer, avise que já já estarei de volta. – Eu o olhei, mas ele tinha falado aquilo de cabeça baixa, olhando para o celular. Fanzi a testa.

- Tudo bem, Dr. Micael. – Ela disse cordialmente e então ele levantou a cabeça e sorriu pra jovem recepcionista, foi quando se deu conta da minha presença.

- Sophia? – Ele pareceu precisar de uns segundos pra processar que eu estava ali, e então sorriu, vindo me dar um abraço.

- Oi, amor. – Pelo canto do olho e eu vi o olhar da jovem menina, ela sorria pra gente.

- O que faz aqui, linda? Veio almoçar comigo? – Seu sorriso aumentou, até que ele viu a pilha de papéis a minha frente. – O que é isso?

- Um contrato de exclusividade... – Disse insegura. – Trouxe pra que um advogado avaliasse. – Mordi o lábio inferior.

- Podia ter me esperado chegar em casa que eu daria uma olhada pra você. – Deu de ombros e eu senti que ele ficou magoado.

- Você tem chegado em casa tarde e cansado. Não vou te dar mais trabalho atoa. Vou falar com um tal de Leonardo e ele vai ler e me explicar as coisas direitinho.

- Sophia, se lembra do nosso acordo? – Pareceu preocupado e me fez rir.

- Sem fotos ou desfiles de lingerie. – Rolei os olhos e vi um pequeno sorriso em seu rosto. – Pode deixar. Agora vou lá e você vai almoçar. – Olhei para os dois lados antes de dar um selinho apressado nele.

- Te amo, linda. Antes de ir, passa na minha sala pra falar comigo.

- Tudo bem. – Ele ia saindo. – Temos que conversar muito sério mais tarde. – Ele franziu a testa e eu sai daqui indo na direção em que Aline tinha me apontado.