Reviravolta - Capitulo 86

- Tem certeza de que não vai subir? - Ele me perguntou pela decima vez.
- Não amor, vai lá. Vou ligar lá pra casa pra falar com a Alycia, enquanto você resolve seu problema. - Dei um selinho nele, que saiu do carro. Eu peguei meu celular e disquei o numero do celular da minha mãe. Ela atendeu no quarto toque.



- Mais que demora pra atender! - Reclamei antes de dizer, bom dia.
- Bom Dia minha linda! - Minha mãe debochou. - Que bom humor pela manhã. - Ela riu e eu rolei os olhos.
- Olha o deboche dona Branca. - Falei e ela continuou rindo. - Como está minha filha?
- Bom, são apenas nove da manhã, o que acha que ela está fazendo? - Perguntou bem humorada.
- Dormindo! - Eu ri e foi como se minha mãe assentisse.
- Exatamente, sua filha só acorda as dez, você deveria saber disso. - Falou como se fosse obvio.
- É que estou com saudades, estava ansiosa. - Dei de ombros e encostei minha cabeça no banco.
- Eu imagino. - Ficamos em silêncio por alguns minutos. - Não vem pra casa?
- Vou fazer uma coisa com Micael antes. Devo chegar a noite só.
- Aiai, nada de aprontar vocês dois hein. - Disse em tom de advertência.
- Nós não aprontamos mãe. - Respondi fria. - Tenho que desligar.
- Fiquem com Deus. - Se despediu e então desligamos.

Fiquei ali no carro por meia hora e nada do Micael aparecer. Então eu peguei as chaves e tranquei o carro, sai em direção a empresa dele. Logo na portaria fui barrada, pediram minha identidade e eu tinha deixado no carro, voltei pra buscar e então subi. Não era um prédio muito grande, a empresa de Micael ocupava o quarto andar. Quando cheguei, fui barrada novamente, dessa vez por aquela secretariazinha.

- Desculpe senhora, mas não pode entrar assim. - Ela parou na minha frente. Muito bem vestida com uma saia social marrom e blazer combinando, blusa branca por baixo e um decote que seria tentador a qualquer homem que olhasse. Ela tinha pernas grossa e o corpo perfeito, morena com olhos verdes e cabelo liso. Ótima profissional, sei. Revirei os olhos.
- Eu preciso falar com o Micael, se puder sair da minha frente antes que eu arranque seus saltos eu agradeço. - Ameacei e sorri. Ela arregalou os olhos e continuou parada na minha frente.
- Micael está em reunião na sua sala. Não tenho permissão para interromper.
- Pensei que pra você fosse Dr Micael. - Falei olhando nos olhos. Ela estava mais alta que eu, provavelmente pelos saltos.
- Quem é você pra me dizer como me referir a ele? - Ela baixou o nivel e eu sorri.
- Tá se referindo a ele com intimidade por que querida, já pegou o chefe? - Ela sorriu. - Tem bem cara de biscate oferecida mesmo. - Seu sorriso se fechou.
- Olha aqui, não precisamos de clientes nesse teu nível querida. - Ela disse se sentindo superior.
- Querida, não quero saber quem você pega pra se manter aqui, mas não é por ser boa profissional, visto o modo como trata os clientes. - Ela vacilou e continuou séria. Ouvimos a voz de Micael vinda de trás e então nos demos conta de que estavamos gritando.
- O que está acontecendo? - Ele perguntou e se aproximou, parando entre nós duas.
- Micael, essa mulher chegou aqui com a maior autoridade, me ofendendo, achando que é importante. Eu só disse a ela que se retirasse. - Ela se apressou a explicar e então eu sorri. Ela me olhou sem entender.
- Já te disse que é pra me chamar de Dr Micael, você não é minha amiga, é minha funcionaria, Amanda. Se o Junior e o Lucas deixam você chamar eles assim, é problema deles. - Ela abaixou a cabeça.
- Tudo bem, Dr Micael. - Ela falou baixo.
- Nossa melhorou consideravelmente. - Eu falei debochada. - Uma funcionaria bem adestrada! - Falei e ri, ela levantou o olhar.
- Está me chamando de cachorra? - Disse com raiva.
- Querida, Adestrada vem de Adestrar. Não serve só para cães. O significado da palavra é ensinar algo. Deixa de ser burra. - Eu ri.
- Chega também né, Sophia. - Micael me repreendeu com o olhar e eu segurei o riso. Ela obviamente ao ouvir meu nome soube quem eu era e mais uma vez arregalou os olhos. - Você não disse que ficaria lá fora?
- Você demorou, vim ver o motivo, mais de meia hora sozinha é chato. - Eu o abracei. - Ai cheguei aqui e essa mulher não me deixou passar.
- Você ao menos se apresentou a ela, Sophia? - Ele perguntou e eu disse que não baixinho. - E queria que ela deixasse você passar como? - Me repreendeu agora.
- Ela não tem que ser ignorante com as pessoas. Acaba espantando clientes.
- Você foi ignorante comigo primeiro. - Ela se defendeu. - Disse que eu tenho cara de quem pega o chefe. Me chamou de biscate.
- Ah você é mesmo, não sei porque esta se ofendendo. - Ela bufou e Micael me apertou.
- Sophia, peça desculpas a ela. - Disse olhando sério e me fez revirar os olhos.
- Pedir desculpas pra sua amante? - Falei pra desviar o foco, não iria pedir desculpas aquela mulher.
- Que amante, você pirou? - Ele disse com expressão de horror.
- Vamos, Micael. - Eu disse e me virei pra saída. Ele veio atras de mim. Ficamos em silencio até entrarmos no carro.
- Sophia, eu não tenho amante. - Ele falou sério e eu sorri.
- Eu sei. - Continuei sorrindo e ele olhou confuso.
- Então...? - Parou esperando que eu continuasse.
- Só não queria pedir desculpa para aquela mulher. Não a suporto. - Dei um selinho nele, que agora tinha um sorriso fraco. - Não tente entender. Vamos procurar sua mãe. - Ele assentiu e ligou o carro...

10 comentários: