Reviravolta - Capitulo 94

- Eu também estou, mas não quero ficar preocupado com ela e com vocês duas também. - Ele me abraçou.
- Não precisa, eu ligo pra avisar que estamos bem. - Eu sorri e ele me largou.
- Tudo bem então. Mas caso ele fale qualquer coisa, você já me avisa! - Ele falou com um tom meio alto.

- Aviso, pode deixar. - Me deu um selinho.
- Quem é Bruna? - Alycia perguntou assim que ficamos calados.
- Minha irmã, sua tia. - Micael respondeu.
- Mais que familia grande! - Ela disse e se jogou no meu colo, depois se deixou no meio.
- Pois é filha. - Ele falou enchendo ela de beijinhos, ela gargalhava gostoso.
- Eu queria um irmão também. - Ela falou ofegante, assim que pararam de brincar. Eu a olhei com olhos arregalados.
- Você nunca quis um. - Eu disse me lembrando de todas as vezes que eu e Diego perguntamos a ela.
- Agora eu quero! - Ela disse sorrindo.
- Sabe que vai ter que me dividir né? - Eu falei achando que ela desistiria.
- Eu já sou uma mocinha mãe! - Ela falou e eu tive que rir de sua espontaneidade.
- Nossa, depois que nascer não reclama, menina mulher. - Disse ainda rindo.
- Então eu vou ganhar um? - Ela falou sorridente.
- Não. - Eu falei agora séria.
- Por que não? - Micael e Alycia falaram juntos e fazendo cara de decepcionados.
- Eu não vou casar gravida! - Falei e arranquei risos dos dois.
- Vocês me fizeram e nem eram casados também. - Ô menina...
- Não foi de proposito! - Eu falei e ela parecia que ia chorar.
- Então não era pra eu ter nascido? - Ela estava com um bico e agora agarrada a Micael.
- Que isso filha! - Micael falou e a abraçou.
- Claro que era né, assim que eu soube que você estava aqui, comecei a te amar... - Eu falei e ela olhou pra mim.
- Então me dá um irmão. - Falou com os olhos cheios de lagrimas, menina chantagista.
- Você vai se arrepender sabia? Quando você estiver mais velha. Ou até mesmo quando ele nascer.
- Não vou! - Ela falou e fez bico.
- Tá bom então. Vou esperar. - Ela me abraçou.
- Agora a mocinha vai dormir. - Eu falei e ela bufou.
- Mais tá cedo... - Começou a argumentar.
- Mas vamos sair amanhã, tem que estar bem descansada. - Ela assentiu e eu levantei da cama.
- Ah, então vou embora. - Olhou com os olhos arregalados pra Micael.
- Sério? - Falei meio chateada.
- Calma linda. - Se levantou e me deu um selinho. Depois deu um beijo na testa de Alycia e nós descemos as escadas e ficamos na sala. - Você acha que eu ia embora sem antes dar uma namoradinha em você? - falou rindo e eu logo desfiz minha cara emburrada. Ele me deu um beijão.
- Pensei que ia. - Caminhei para o sofá e liguei a televisão em um programa aleatório.
- Claro que não. - Me deu outro beijo. - O que achou dessa historia de irmão? - Perguntou depois que parou.
- Ela vai desistir. - Afirmei com toda certeza.
- Como sabe disso? - Perguntou curioso.
- Já fiz essa pergunta a ela antes, ela sempre dizia que eu só era mãe dela. - Dei de ombros e vi seu rosto escurecer.
- Eu nem gosto de pensar na ideia de você ter um filho com aquele merda! - Falou num tom agressivo.
- Já pensamos nisso, mas Alycia sempre me  fez desistir. - Continuei falando super calma.
- Essa menina é um gênio mesmo. Puxou o pai! - Dessa vez riu e me deu outro beijo, dessa vez mordeu meu lábio inferior e eu soltei um gemido baixo.
- Adora me provocar... Não faz isso, não quando você vai embora depois e eu vou ficar aqui sozinha... - Falei enquanto ele beijava meu pescoço.
- Provocar faz parte... É uma arte muito gostosa, ver a pessoa ali, com o desejo a flor da pele. - Ele falou e eu segurei seu membro com a mão que estava livre, ele arfou em resposta. - Sophia... Sophia... Nós estamos na sala. - Gemeu ao meu ouvido, devido ao meu toque lento.
- Provocar faz parte! - Repeti.
- Comigo não. - Ele me empurrou para deitar e deitou em cima de mim, um beijo intenso. O fogo nos consumia e eu sabia que estávamos prestes a fazer amor ali mesmo, mas então ouvimos um pigarro e nos separamos rapidamente. Era meu pai.
- Mais que pouca vergonha hein, Micael, se comporte. - Falou sério, chegando ainda mais perto de nós. Micael tinha as mãos em cima do membro, para esconder sua ereção. - Eu não vou gostar de saber que você tirou a virgindade da minha filha poucos dias antes do casamento. - E então ele riu e descontraiu o clima, ele se sentou no sofá de frente pra nós.
- Vai ficar ai mesmo? - Perguntei incrédula.
- Eu odiaria que vocês fizessem certas coisas no meu sofá. Foi caríssimo, sofá importado.

9 comentários:

  1. KKKKKKKK o pai da sophia tá mais legal agora, hahaha to com saudades da web

    ResponderExcluir
  2. Não rola um bônus ??

    ResponderExcluir
  3. Kkkkk, cade o João eles não iam adotalo , ela já vai ter um irmão e mais velho. coitada não sabe o que nós caçulas passamos

    ResponderExcluir
  4. posta maiss.......................

    ResponderExcluir