Reviravolta - Capitulo 99

Quando entramos no quarto, Alycia estava no colo de Micael e eu fiquei num canto só observando.  A menina chorava muito, provavelmente por não ter conseguido abortar o bebê, ou por todos terem a descoberto, não sei bem. Antônia começou a chorar junto e Matheus a apoiou, Micael chegou perto da cama, foi o único que teve coragem pra falar.

- Como está se sentindo? - Ela o olhou com raiva.
- O que está fazendo aqui, eu não quero você aqui. - Ela gritou, ainda chorando.
- Eu sou seu irmão mais velho, me preocupo com você. - Ele falou calmamente.
- Você soube que eu existia ontem, não se preocupa comigo, está aqui por pena. - Ela esbravejou e limpou algumas lagrimas com as costas das mãos.
- Pois é, conheci vocês ontem e quero um lugar nessa familia, conheci vocês ontem e já me preocupo imensamente com cada um de vocês. - Alycia estava parada quieta, só observando tudo e todos. Agora tinha olhos fixos em uma das intravenosas de Bruna.
- Sua filha? - Falou um pouco mais calma e Micael assentiu. - É linda. - Sorriu, mas pareceu se lembrar de algo ruim, provavelmente de seu bebê e começou a chorar de novo.
- Ei, não chora. - Foi a vez de Alycia interferir com sua voz doce. - Tá doendo? - Apontou pra um braço.
- Não é por isso que estou chorando não. - Ela foi extremamente simpática com minha filha.
- Olha, eu já tomei um monte de injeção e já fiquei internada também, mas quando eu era um bebê, minha mãe me disse. - Olhou pra mim sorrindo e voltou a se concentrar em Bruna - Hoje em dia eu não preciso mais, você também não vai precisar mais depois de um tempo. - Bruna sorriu pra ela e todos ficamos olhando perplexos a magica da Alycia.
- Será que eu posso conversar a sós com ela? - Dei um passo a frente, roubando a atenção.
- Eu não tenho vontade de falar a sós com você. - Ela me respondeu seca.
- É algo rápido, por favor. - Antes dela responder todos estavam saindo, eu me aproximei, puxei um banquinho e me sentei ao lado da cama dela.
- Sua filha é linda. - Ela falou sem dar o braço a torcer.
- Obrigada! - Disse com um sorriso - Pelo visto ela também gostou de você.
- Que bom. - Olhou pra mim séria e ficou esperando que eu falasse.
- Quero falar sobre o seu bebê. - Sua expressão mudou para raiva e ela virou o rosto.
- Não tem bebê. - Ela falou baixo.
- Sim, tem um. Sua tentativa de aborto não funcionou, foi loucura, quase te matou. - Falei e a vi ficar com mais raiva ainda.
- Isso não é da sua conta. - Tinha os olhos cheios de lagrimas novamente.
- Se você morresse sua mãe ficaria destruída e por ela, Micael também ficaria. Eu vou me casar com seu irmão, essa familia também será minha, prezo por vocês três.
- Isso é mentira, vocês estão juntos há seis anos e agora que resolveram vir nos procurar? E ele, por que foi embora se se importa tanto? Ele não estava presente nos momentos mais dificeis de nossas vidas, na nossa infância, quando passávamos fome, quando quase ficamos sem casa. Ele não é meu irmão mais velho, é um conhecido da minha mãe.
- Ele tinha medo de voltar e descobrir que sua mãe não estava mais viva.
- E preferiu se esconder onde? Numa casa luxuosa?  - Ela debochou. - Por que olha isso aqui... - Apontou em volta. - Nunca teríamos condições de pagar um lugar desse.
- Seu irmão morava na rua. Mudou depois que nos conhecemos, uma longa historia. - Tentei defender mais ela estava focada em atacar.
- Sophia, ele não estava comigo quando fui a escola pela primeira vez, quando implicaram comigo lá, quando aprendi a ler, quando cresci, e nem quando fiz 15 anos e aquele monstro resolveu... - Ela parou de falar e começou a chorar.
- Seu pai... te tocou? - Perguntei apreensiva.
- Matheus é meu irmão, sempre esteve comigo. - Ela ignorou minha pergunta. - Micael nunca ligou.
- Você está me dizendo que o Matheus sabe que seu pai faz o que faz e nunca se manifestou? - Eu perguntei indignada.
- Por favor, não conta pra ninguém. - Ela suplicou. - Ele no começo só me ameaçava, até que um dia o Matheus viu, e então ele disse que se um de nós falasse qualquer coisa, por menor que seja ele ia matar nos três, eu, Matheus e a minha mãe. Então ficamos com medo, não tínhamos pra onde ir, resolvemos nos calar e aceitar. Muitas vezes ele me tomou na frente de Matheus, ele queria me ajudar, mas não podia. - Chorava muito, então eu levantei e a abracei.
- Relaxa, vamos ajudar vocês. - Disse ainda a abraçando.
- Descobri que estava gravida há duas semanas. Contei pra ele e ele mandou eu dar o meu  jeito e tirar essa criança, ninguém podia saber. Me chamou de burra por ter engravidado e me bateu. Depois de alguns dias me deu aquela cartela de remédio e mandou eu tomar todos os comprimidos dizendo que assim eu ia me livrar desse bebê. - A cada palavra dela eu ficava ainda mais horrorizada, não conseguia imaginar que um pai pudesse ser tão ruim.
- Fica calma, vamos dar um jeito. E quanto ao bebê, a lei te protege, vamos fazer isso de forma correta.
- Não quero tirar essa criança.

10 comentários:

  1. Bruna assumiu amém, ta ótima a web

    ResponderExcluir
  2. rumo ao capitulo 100 já❤️❤️ eba! vc podia postar um bonus pra comemorar, hahahaha .

    ResponderExcluir
  3. connntt ela precisa contar pra todos

    ResponderExcluir
  4. Continuaa,posta mais.

    ResponderExcluir
  5. oii tudo bem? então eu gostaria que vc continuasse com essa web http://space-somic.tumblr.com minha amiga abandonou e ela é linda continua pf (obs: não precisa autorizar meu comentário eu só queria fazer esse pedido)

    ResponderExcluir