Futuro Planejado - Capítulo 66

- Uma mulher? Quem é você, e o que faz o telefone do Mica? - A voz de mulher me perguntou.

- A mãe da filha dele. - Eu disse sem mais.
- Quem é Sophia? - Ele me perguntou mais uma vez. - Fala!
- Eu não sei. Não conheço. É uma mulher.
Ele franziu o cenho e estendeu a Clara pra eu pegar e depois pegou o celular. Colocou sobre o ouvido e então tirou.
- Não tem ninguem na linha. - Ele disse confuso, mexeu no celular acho que na ultima ligação e levantou o olhar meio frustado. - Chamada restrita. O que a pessoa disse?
- "Alô meu bem? Cheguei aqui na sua casa e você não esta!" - Eu fiz a voz fina. - Mais ou  menos isso.
- Meu bem? Na minha casa? - Ele pareceu pensar e então sorriu. - Que ótimo.
- Ótimo? É deve ser bastante pra você. - Disse de cara feia saindo do quarto.
- Não vou explicar agora o porquê disso ser bom. - Ele veio atrás de mim.
- Não precisa explicar, eu sei que é bom. Agora vai, porquê o seu bem ta te esperando. - Disse completamente ironizando enquanto desciamos as escadas. Meu pai e minha mãe estavam na sala assistindo televisão.
- Sophia pare de deboche. - Ele disse me olhando serio.
- Para de me irritar - Eu disse e alterei um pouco a voz.
- Se for pra gritarem por favor façam isso na casa de vocês. - Meu pai disse em um tom de voz alto, mas ainda com os olhos pra televisão.
- Desculpa Seu Renato. - Micael disse e ficou me olhando. - Para de pirraça.
- Micael, você não me engana mais, você vem aqui  diz que me ama e no final tem uma qualquer ligando pro seu celular dizendo que ta na minha casa te esperando. - Terminei de falar alto demais, Clara tomou um susto e começou a chorar.
- Parem de discutir, olha minha neta como está. - Minha mãe se levantou e veio pegar a Clara do meu colo, logo depois voltou ao sofá.
- Desculpa mãe, é que estou irritada. - Eu disse e olhei pra Micael.
- Não deveriam brigar, deveriam se entender. Vocês se amam. - Ela falou e nós tinhamos os olhares fixos um no outro.
- Eu já disse isso Dona Branca, mas a Sophia é complicada. Nunca trai ela. E nem tem ninguem na nossa casa me esperando. - Minha mãe deu de ombros sem querer se envolver e eu não falei nada. - Eu ainda vou te provar isso!
- Enquanto não prova, pode ir embora. - Eu disse fria, caminhando até a porta.
- Tá me expulsando? Só fiquei uns cinco minutos no maximo com a Clara. - Disse inconformado.
- Foi o suficiente. Volte outro dia. - Ele suspirou e veio até a porta, já do lado de fora ele me puxou tão rapido que quando dei por mim estava em seus braços e ele me roubava um beijo. Quando me soltou não disse mais nada e foi embora rindo.
Voltei pra dentro com a mão na boca e lagrimas nos olhos. Olhei minha mãe e meu pai ali juntinhos no sofá segurando a Clara e fiquei com inveja, queria ser assim também. Eles ouviram o meu soluço e meu pai se levantou e saiu da sala, me deixando a sós com a minha mãe. Eu me aproximei e me deitei em seu colo.
- Mãe por que tem que ser tão difícil? - Perguntei entre soluços.
- Acho que você está sendo dura demais com ele. - falou enquanto me fazia cafuné - Ele sempre lutou para ter o seu amor, eu não acho que ele trairia você.
- Mas mãe eu vi as fotos. - Argumentei.
- Filha, um bom editor consegue fazer fotos como ninguém. Tudo pode ser armado, você pode estar cometendo uma injustiça enorme com ele. Pode ser um erro que você nunca vai se perdoar...

11 comentários: