Futuro Planejado - Capitulo 71

Minha sala sempre foi a mesma que do Micael. Em questão de eu ser a vice presidente e também por que assim nós ficávamos juntos. Hoje eu não sei como ele reagiria ao me ver. Subimos em silêncio e já de cara encontramos com Micael dando papo para aquela secretariazinha.


- Bom dia Micael - Meu pai disse. Micael se virou pra responder e me viu, seu olhar me varreu da cabeça aos pés, ele pareceu surpreso e um pouco perturbado com a minha presença ali.
- Bom dia Dr Renato, bom dia Sophia. O que você veio fazer aqui? - Perguntou confuso.
- Eu trabalho aqui, não sei se você lembra. - Disse um pouco grossa.
- Você que tinha esquecido, lembrou de uma hora pra outra? - Ele ria debochado. Eu revirei os olhos, o olhei mais uma vez conversando com aquela lambisgoia e ia pra minha sala. Andei com tanta pressa que não vi Leonardo no meio do caminha e acabei esbarrando.
- Ai Sophia, olha por onde você anda mulher.
- Desculpa Léo, foi completamente sem querer. - Eu disse e coloquei a mão em seu ombro. A tática do ciume poderia ser uma boa ideia.
- Que bom te ver aqui? Vai voltar de vez? - Ele perguntava.
- Sim, tava indo pra minha sala, acho que deve ter bastante coisa pra colocar em ordem.
- Ih com certeza, mas o seu maridinho deve ter deixado tudo organizado. - Disse com um ar de desprezo.
- Atualmente ex-marido Léo. - Falei algumas oitavas acima do meu tom, ouvi Micael suspirar mas não me virei.
- Para de graça Sophia, eu heim! Vocês dois precisam é  de tomar vergonha na cara! - Ele esbravejou.
- Jura que você ta me falando isso? - Eu perguntei incrédula.
- Claro, querem ficar juntos e ficam ai de viadagem. - Ele riu.
- Vou ver os meus papéis Leonardo, depois a gente se fala.
- Ok linda. - Me deu um beijo no rosto. - Bom trabalho, que eu também vou.

Fui pra minha sala e sentei á minha mesa, tinham muitos papéis e eu sabia que viria um longo dia pela frente. Fiquei sentada lá trabalhando até que vi a porta se mover, minha respiração falhou. Continuei de cabeça baixa mas tinha certeza que era Micael, ele caminhou até a outra mesa e se sentou.

- Por que você resolveu trabalhar? - Levantei a cabeça e ele estava me encarando.
- Porque foi a unica forma que eu arranjei de ficar perto de você. - Disse com sinceridade.
- Jura? Só por causa disso?
- Sim, e por que eu não aguentava mais ficar em casa. Minha presença está te incomodando? - Perguntei com medo.
- Um pouco. Tira minha atenção.
-  Isso é bom ou ruim? - Eu perguntei.
- Antes era bom, mas como estou completamente chateado com você não é bom não! - Ele riu.
- Vai ficar distante até quando? - Falei rápido.
- Até quando eu ter certeza que se vier a acontecer novamente você vai acreditar em mim.
- Micael, eu tinha provas contra você.
- Mas eu estava dizendo que não tinha feito nada, você deveria ter acreditado.
- Queria ver se fosse ao contrario, se você ia acreditar que não. Micael, eu tava magoada.
- Então só me diz como você ficou um ano acreditando que eu tava vivo?
- Eu não sei dizer, eu sentia.
- E não sentiu que eu poderia estar dizendo a verdade.
- Senti, mas preferi confiar naquela maldita foto, olha eu sei que eu errei, mas não me julgue, você teria feito a mesma coisa!

Ele suspirou e eu caminhei até a mesa dele, me inclinei e o beijei. Ele correspondeu com saudade e terminamos com selinhos o beijo.

- Eu estava com saudades do seu beijo. - Ele me disse.
- Eu estava mais ainda.

Micael se levantou rapidamente e me empurrou até que eu estivesse junto a porta.
- Assim ninguém entra.

Aquele beijo de saudade fora substituído por desejo, suas mãos passeavam por meu corpo e minha cintura até estarem em minhas coxas. O beijo tinha descido para o pescoço e ele me fazia gemer. Suas mãos afastaram minha calcinha e começaram a me acariciar, senti dois dedos dentro de mim e segurei o seu cabelo forte enquanto sua boca ainda me enlouquecia apenas com beijos no pescoço.

- Achei oportuno você ter vindo de saia. - Eu gemi e ele abafou com um beijo. - Não faça barulho.

Eu assenti e ele tirou os dedos de mim pra abrir a barguilha da calça, não tive tempo de pensar em muita coisa e ele já estava dentro de mim, fazendo movimentos. Mas uma vez abafou o meu gemido com um beijo, era incontrolável. Ele me virou de costas depois de um tempo, segurou em meu cabelo e assim nós terminamos a nossa rapidinha.
Eu o olhei e sorri, ele se limpou e saiu da sala, provavelmente para ir ao banheiro se limpar, eu faria o mesmo, assim que me recompusesse.

--------------------
Amores, eu adorei as sugestões que vocês me enviaram, vou pensar bastante pra tentar criar uma nova historia! Obrigada!
Se ainda tiverem novas sugestões, podem mandar!
Pessoal, super índico pra vocês http://lucyporsomic.blogspot.com.br/
É o blog de uma leitora aqui do IR, façam uma visitinha...

17 comentários: