Inevitável - Capitulo 67

No dia seguinte acordei cedo pra ir trabalhar, precisa conversar com Lua sobre tudo que estava acontecendo na minha vida ultimamente. Tomei meu banho e desci para o café, como sempre, ninguém estava acordado ainda. Fiz um sanduíche e tomei um copo de suco, depois sai comendo uma pêra. já que é pra comer, vamos comer. Rolei os olhos, peguei minha bolsa e então sai de casa.
Cheguei antes da hora como sempre e sorri ao me aproximar de Lua, que estava conversando animadamente com Mel, uma outra colega, mas eu não tinha muita intimidade.



- Sophia, você parece muito melhor hoje. - Lua diz enquanto me aproximo sorrindo.
- Ela tem razão! - Mel acrescenta timidamente.
- Ai gente, eu tô tão feliz que tô com medo de que tudo não passe de uma mentira, um sonho, sei lá. - Ela riu e arqueou uma sobrancelha pra mim.
- E vai contar pra gente o motivo de toda essa felicidade? - Me aproximei ainda mais e ela segura minhas mãos.
- Acho que vou ter que deixar o emprego. - Sorrio e ela arregala os olhos.
- Isso é motivo de felicidade? - Ela diz com a mão no peito. - Eu pensei que você me amasse, Sophia.
- Olha o drama, Luinha. - Mel disse e nós rimos.
- Claro que amo dona Maria. - Ela fez careta pra mim, odiava quando eu a chamava assim. - A questão é que me entendi com o Micael.
- Sério? - Ela diz alguns tons acima do normal e sorri, histérica. - Quer dizer que a falsa da sua irmã rodou?
- Credo, Lua! - Mel aparentemente não sabia da historia - Como pode falar assim da irmã dela? - Parecia indignada e então eu ri.
- Mel meu amor, pensa na pessoa mais falsa que tu conhece? - Ela olhou sem entender e eu já imaginava o que ela ia dizer. - Triplica e o resultado é o nível da cobra que a Sophia chama de irmã mais velha. - Ela termina com risada e a Mel me olha com duvida, eu apenas balanço a cabeça. - Mas conta, como se acertaram?
- Ele descobriu que ela mentiu pra mim dizendo que eles estavam juntos e mentiu pra ele dizendo que eu estava com o Marco. - Dei de ombros e Lua sorriu e se virou pra Mel.
- Viu?
- Meu Deus, pra que inimiga com uma irmã dessa? - Ela riu e eu dei de ombros.
- A mascara dela caiu, Micael disse que me ama, nós voltamos e por isso preciso de demissão. - Falo tudo com o maior sorriso de todos.
- Tem alguma coisa a mais ai, Soph. - Lua me examina e então meu sorriso se amplia ainda mais quando eu conto que estou gravida.
- MEU DEUS DO CÉU, EU VOU SER TIA! - Ela praticamente berra e eu fico com vergonha, uma vez que ainda estamos na empresa.
- Parabéns Sophia! - Mel disse e veio me abraçar enquanto Lua ainda pulava de alegria.
- Eu imagino a cara da Luiza. - Ela diz em meio a uma gargalhada e então veio me abraçar. - Sabe que se eu não for madrinha você estará arruinada né mocinha? - Ameaçou e me fez rir.
- Nossa depois dessa chantagem né. - Ela sorriu e me abraçou uma segunda vez.

Depois de assinar a minha demissão eu ainda fiquei até o fim do expediente com as meninas naquela dia. Não tinha nada melhor pra fazer em casa e assim era uma boa maneira de me despedir. Cheguei em casa já passava das sete horas e meu telefone tinha descarregado mais cedo.

- Meu Deus, onde você estava? - Sinto os braços de Micael me abraçando e sorriu com a preocupação em sua voz. - Porque não atende esse celular, deixei milhões de recados e mensagens.
- Que desespero é esse? Eu estava no trabalho com as meninas, meu telefone descarregou. - Dou de ombros e ele me aperta.
- Fiquei preocupado! - Ele então me larga e acaricia de leve minha barriga, me arrancando um sorriso.
- Eu nem sabia que você vinha hoje aqui. - Ele deu de ombros. - Você se mudou e é meu vizinho agora ou o quê? - Eu disse rindo, ainda conversávamos na porta.
- Eu fiquei foi com saudade e acho que vale a pena dirigir uma hora pra ver esse seu rostinho e te dar um beijo! - Ele disse e me agarrou, me dando o maior beijão e me deixando sem fôlego.
- Eita! - Disse quando me soltou. - Isso que é saudade. - Disse rindo e ele passou as mãos no cabelo sem jeito. - Trouxe Felipe? - Perguntei com um sorriso.
- Está por algum lugar com Luiza. - Ele deu de ombros, mas sei que no fundo de seus olhos, tem ódio pelo que ela falou da ultima vez.
- Vamos pra cozinha, preciso jantar, nosso bebê vai me deixar gorda de tanto que comecei a comer, sabia? - Eu disse rindo, ele me deu um selinho e fomos de mãos dadas. Ficamos conversando sobre o nosso dia e eu estava adorando isso...

7 comentários: