Inevitável - Capitulo 69

Sophia tinha acabado de subir e eu estava sentado na sala roendo as unhas com a demora. Na verdade não estava demorando, mas ficar longe dela por um minuto parecia 10. Eu olhava para o teto, para a televisão, para o piso e mesmo assim não sabia o que fazer. tirei meu celular do bolso e fui jogar uma partidinha de Clash Royale, é bom pra passar o tempo.



- Ora... Ora... - Ouvi aquela voz tão conhecida, mas que não era da minha Sophia. - Temos visitas e ninguém me chamou?
- Deve ser porque ninguém te suporta! - Respondi sem me dar o trabalho de levantar o olhar, continuei focado no meu jogo.
- Ai, essa doeu. - Eu podia sentir o cinismo em sua voz, e não gostava nada disso.
- Luiza, me deixa em paz.
- Cadê meu filho? - Perguntou como se em algum momento se importasse.
- Até parece que você liga. - Rolei os olhos e ela se aproximou de mim.
- Claro que eu ligo, é meu filho Micael! - Falou como se realmente fosse verdade, isso me fez bloquear meu telefone e encara-la.
- Você não ligava quando foi embora quando ele tinha só oito meses. - Falei frio e a vi estremecer.
- Você sabe que eu não fui embora, já te contei o que aconteceu.
- Será Luiza? - Continuava olhando em seus olhos, mas não conseguia decifrar.
- Eu estava com raiva. Disse que tinha largado você pra ficar com outro, mas logico que era mentira. Eu amava você. Amava nossa familia. - Eu bufei e rolei os olhos.
- Dá um tempo, Luiza. Você já confessou, pra que continuar mentindo?
- Eu estava com raiva quando disse aquelas coisas. - Desviou o olhar e eu fui me irritando ainda mais. - Só queria te machucar, assim como você estava me machucando ao escolher a minha irmã na minha frente, nós estávamos namorando. - E então eu ri, gargalhei pra ser mais especifico.
- Não estávamos namorando, eu estava comendo você, mas pelo fato de você ter me manipulado como se eu fosse um... Ah, sei lá. - Joguei as mãos para o alto, indignado.
- Não queria você com ela. Pelo menos você tem que acreditar que é mentira. - Suplicou e eu vi lagrimas fingidas em seu olhar.
- Não acredito nada, você jogou na minha cara que o Felipe, a unica coisa que sobrou da nossa relação que eu acreditava ser perfeita, não é meu filho. Você não teve pena ao fazer isso. Você não presta.
- Ele é seu filho, eu já disse que estava com raiva. - Deixou então aquelas lagrimas escaparem, o que me irritou ao máximo, então eu gritei.
- EU TAMBÉM ESTAVA COM RAIVA E NEM POR ISSO EU DISSE QUE SEMPRE TIVE OUTRA! - Parei um instante pra tentar regular a minha respiração e então apareceram Branca e Sophia, com cara de assustadas. - Você é uma vagabunda.
- Micael, você está dentro da minha casa e não admito que fale assim com a minha filha. - Branca falou mas nós dois ignoramos e continuamos a discutir.
- Não sou nada disso, você me conhece muito bem, sempre me conheceu. Você foi meu primeiro namorado, você tirou minha virgindade, Micael. Não é possível que esqueceu de tudo que vivemos. Não tô aqui pra voltar, só quero que nos demos bem, principalmente por causa de Felipe.
- Isso não vai acontecer, principalmente porque eu não quero olhar na sua cara.
- Para de ser turrão. Nós temos um filho e eu não vou ser afastada dele de novo. - Disse como se realmente se importasse, a vontade de dar um soco nela estava forte.
- Para de falar como se gostasse dele, você usa o menino pra ficar perto de mim, Luiza. Todo mundo percebe. - Sorri debochado e ela respirou fundo.
- PARE DE ACHAR QUE VOCÊ É O CENTRO DO MUNDO! - Ela gritou pra mim e eu a encarei. - FELIPE É MEU FILHO TAMBÉM E EU O AMO.

Meu sangue ferveu tanto que eu avancei pra cima dela e segurei com força em seu pescoço. Ela me olhava assustada e eu senti movimentação atrás de mim. Alguém tentando puxar meu braço, mas eu empurrei a pessoa ainda sem olhar pra trás, eu estava ficando satisfeita ao vê-la ficar sem ar. Então olhei Branca desesperada tentando soltar a filha, então se ela estava ali... Olhei pra trás e vi Sophia sentada no chão, encolhida. Larguei Luiza na hora que foi acudida pela mãe enquanto eu me abaixava ao lado de Sophia.

- Amor, me desculpa. - Falei apressado. - Eu juro que não quis machucar você, como você está? -

Mas ela não me respondeu, apenas ficou olhando no fundo dos meus olhos com uma expressão assustada, o que cortou meu coração. Não queria fazer nada disso, queria só vir buscar a Sophia e comemorar sua volta pra casa, mas ficar perto da Luiza me tira do sério, o tamanho do seu cinismo e falsidade me deixa com ódio.

- Sophia, você precisa falar comigo, preciso saber se te machuquei. - Disse desesperado e então ela negou com a cabeça e me abraçou.

9 comentários:

  1. Posta mais por favor

    ResponderExcluir
  2. Tudo culpa dessa vadia da Luiza q ódio dela. n deixa eles brigar 😭

    ResponderExcluir
  3. Eita homem assim tbm não, sophi vai twr medo ds casar com você

    ResponderExcluir
  4. EITA! que capitulo, continua pelo amor

    ResponderExcluir
  5. Fiquei até tarde ontem esperando vc postar

    ResponderExcluir