Nova Chance - Capitulo 7

Naquela noite Micael teve um sonho. Era o dia do seu casamento, estava no altar rodeado de parentes. De repente ouviu a marcha nupcial e se desesperou, não queria casar, começou a andar de um lado para o outro.
Quando a noiva apareceu, um véu escuro cobria seu rosto, mas ela estava claramente linda, o vestido branquíssimo tinha uma bela calda e a grinalda prendia o véu mais longo que se arrastava pelo tapete vermelho. O vestido era um corpete apertado definindo suas curvas e a deixando ainda mais linda, a noiva chegou perto dele e ele já tinha parado de andar de um lado para o outro, estava hipnotizado pela noiva. O padre deu inicio a cerimonia e no fim quando ele disse pode beijar a noiva, Micael sorriu pensando ter ganho na loteria e quando lentamente foi levantando o véu e revelando o rosto da noiva ele se assustou e rapidamente largou o véu. Micael acordou, estava suado e arfava.
Mica: Meu Deus eu não acredito que aquela mulher estava em meu sonho.
Ele disse tentando recuperar o folego, levantou-se para beber um pouco de água e recuperar o folego.
-x-
Sophia tinha feito 4 clientes naquela noite. Precisava de no minimo cinco, então se lembrou do dinheiro que Chay a deu, ela não queria apanhar novamente e também queria devolver o dinheiro. Mas não aguentaria outra surra daquela. Então seu instinto auto-preservativo falou mais alto e ela colocou o dinheiro como se tivesse feito um programa a mais. Quando seu pai chegou em casa olhou em sua mão o dinheiro e sorriu.
Antônio: Muito bem Sophia, vejo que melhorou seus números. Ou ta cobrando mais caro.
Soph: Não estou cobrando nada mais caro. Vou dormir.
Antônio: Vá, espero que essas marcas sumam logo.
Sophia não respondeu e subiu direto para seu quarto. Ela também teve um sonho, mas sonho com Chay. Ele era um anjo que Deus havia enviado para a ajudar e sabia que podia confiar 100% nele. Ela teve uma conversa com um anjo.
Anjo: Confie nele.
Soph: Não posso, tenho que guardar tudo pra mim!
Anjo: Ele é um escolhido nosso.
E o anjo se foi. Diferente de Micael ela acordou só de manhã, não se lembrava do tal sonho mas sabia que tinha algo bom em Chay. Ela se olhou no espelho e viu algumas marcas sumirem. "Como era possível?" ela pensava, já que quando foi dormir elas eram tão aparentes. A duvida ficou na cabeça dela por algum tempo. Ela se vestiu e foi tomar café. 
Antônio: Por que esta sorrindo como boba?
Soph: Eu não estou!
Antônio: Está sim, fala Sophia.
Soph: Será que não posso nem mais pensar? 
Antônio se calou e deixou a menina em paz. No fundo que sabia que exigia muito dela.
Soph fez o café e logo começou a arrumar a casa. Naquele dia ela se sentia diferente. Queria que chegasse a noite, queria ir no ponto pra saber se eles iam aparecer lá de novo. Se bem que duvidava, tinha discutido com Micael, eles não deveriam aparecer, mas ela tinha esperança e pensava seriamente se iam ou não aparecer.
A noite caiu e ela foi se arrumar, nem mesmo entendia seu próprio entusiasmo. Nessa noite ela mudou o figurino, colocou uma roupa um pouco menos chamativa, uma que usava assim que começou por que tinha vergonha de andar com as roupas que usa agora. Era uma vestidinho rosa curta, mas não mostrava a polpa da bunda e tinha um decote não muito grande. Dessa vez optou por um batom um pouco mais leve do que o vermelho que usava e clareou um pouco os olhos.
Se olhou no espelho e sabia que assim não ganharia muitos clientes, mas mesmo assim, colocou seu salto e seguiu seu caminho. Quando chegou lá, um carro preto estava parado na frente de Lily. Ea conversava com as pessoas pela janela. Não cheguei perto fiquei na minha até que vi, Micael saindo do carro e caminhando em minha direção. Lily me olhava boquiaberta.
Mica: Olha olha quem chegou.
Soph: Hahaha o que você quer comigo, ta se confundindo?
Mica: Vem!
Soph: Eu e você? Sem chance, não faria nada com você nem se me pagasse milhões.
Ele a olha de lado e morde o labio.
Mica: Você é muito gostosa sabia?
Sophia não gostava quando falavam assim dela, se sentia uma mercadoria. Naquela noite o pai dela estava no ponto, olhando as meninas por que ele não era cafetão só da Sophia como das meninas daquele ponto ali. Ele viu o tapa que Sophia deu em Micael e chegou perto.
Antônio: Sophia vem vamos conversar.
Soph: Não!
Ela estava com medo, imaginava o que tinha por vir. Mas nem em seus piores pesadelos ela imaginava que ele a daria um tapa ali, na frente dos outros, mas foi o que aconteceu.
Mica: Hey, não faz isso com a garota.
Antônio: E você não se mete. Escolhe outra ai por que essa daqui esta fora do trabalho hoje.
Ele pegou no braço de Sophia e a arrastou pra casa. Só então ela percebeu que mais uma vez ele estava bêbado, isso agora se tornava cada vez mais frequente.
Micael ficou ali parado vendo a menina ser arrastada para casa até que voltou ao seu carro.
Lily: Não vai querer?
Mica: hoje não
Ele entra e segue para a casa de Chay.
-x-
Soph: Me solta!
Antônio: Ué mais por que? Se você bateu no cliente é por que gosta de apanhar.
Soph: Para, de novo não por favor. 
Ela chorava muito.
Antônio: Para de chorar senão é pior, sabe que eu não tenho pena.
E assim começou uma outra sessão de tortura. Antigamente ele não ficava assim bêbado, agora é quase todo dia.

12 comentários: