Reviravolta - Capitulo 52

- Você não dorme? - Respondi baixo, não queria confusão a essa hora da noite.
- Sophia minha linda, não pode esconder as coisas de mim. - Ele falou e eu me arrepiei.
- Você parece um vilão de novela. - Debochei. - Vou sair, volto já.

- Está pensando em entrar naquele carro parado aqui em frente? - então ele se virou sorrindo.
- Parabéns, o senhor é um gênio. - Sorri de volta.
- Cadê minha neta? - Seu olhar mudou para preocupação.
- Está dormindo. - Respondi seca.
- Sophia, o Micael tem uma noiva, você não pode se encontrar com ele a noite como se fosse uma qualquer. - Ele estava calmo, não falava com deboche.
- Eu não vou fazer nada. Apenas conversar. - Coloquei a mão sobre seu ombro. - Não se preocupe pai, eu e Micael não temos nada. - Olhei dentro de seus olhos e senti um calafrio, mas uma vez estava arrepiada.
- Duvido muito. - Ele deu de ombros. - Não vou te impedir, eu poderia acionar todos os seguranças dessa casa e te impedir de ir, mas vou preferir que você quebre a cara pra ver se toma jeito. - Eu fiquei sem entender nada.
- Faz sentido pai. - O olhei confusa.
- Vai logo, sua carona esta te esperando. - Fez sinal pra eu ir pra porta e eu sabia que ele estava armando alguma coisa não seria assim tão facil.
- Eu vou sim, volto logo. - Falei e me virei, ouvi ele gritando.
- Te amo filha. - Não respondi nem me virei, apenas sai da casa e entrei no carro que me esperava. Coloquei as mãos na cabeça e respirei fundo assim que fechei a porta.
- Nossa Sophia, o que te aconteceu, você parece assustada. - Perguntou preocupado.
- Meu pai está armando alguma coisa e deve ser contra você. - Eu disse e ele nem ligou.
- Seu pai não me assusta mais, na verdade nunca me assustou, conheço o mundo Sophia e realmente não tenho medo dele. - Terminou de falar e deu partida no carro, eu não falei nada, apenas fiquei pensando.
- O que foi, te trouxe aqui para conversarmos e você está monossilabica. - Ele falou incomodado enquando bebia um gole de seu refrigerante e eu só ficava mexendo o meu.
- Estou preocupada com a Alycia sozinha naquela casa, ela é tão ingenua. - Falei e levantei meu olhar, sua expressão me reconfortou.
- Sabe muito bem que é mais facil seu pai mandar explodir essa lanchonete com nós dois aqui dentro do que fazer algum mal a nossa filha né? - Ele tinha uma sobrancelha levantada e um sorriso de canto.
- No fundo eu sei disso. - Falei o encarando. - E não entendo como ele consegue isso.
- Ele só quer proteger a familia. - Negou com a cabeça.
- Sabe que eu odeio quando você dá razão a ele. - Bati o copo na mesa, me irritando.
- Nós dois sempre nos demos muito bem. - Ele começou e eu só ouvia. - esses anos todos de parceria, eu acreditava que eramos amigos, até o dia em que você voltou. - Ele agora ficava mexendo no copo, não conseguia me encarar. - Quando ele fez aquela proposta ridicula de me dar tudo e pra me fazer esquecer minha filha eu... Ah, eu fiquei sem saber o que pensar, eu sempre admirei aquele homem, e de uma hora pra outra eu tinha descoberto que era um verdadeiro monstro. - Ele deu de ombros e levantou o olhar pra mim.
- Eu sempre disse que meu pai era um monstro. - Eu dei de ombros também, agora sorrindo.
- Nunca disse o nome dele pra mim,  eu não o conhecia. - Mas enfim, tudo que ele faz, é porque acredita ser o certo.
- Meu pai sempre foi assim Micael, sempre me manipulou. - Me exaltei outra vez - Da outra vez o imbecil do Mauricio me traiu, ele estava fazendo minha cabeça para perdoar ele. - Bati as mãos na mesa.
- Calma, você cresceu, tem opinião propria. - Fez carinho em meu rosto.
- Mas minha filha não. E é por isso que estou pensando em voltar. - Falei de uma vez e vi seus olhos se arregalarem.
- Você não via tirar minha filha de mim outra vez Sophia. - Tirou as mãos de mim agora irritado.
- Olha Micael, Diego terminou comigo, nem vejo Larissa, você veio pra complicar e ainda tem uma noiva, não percebe a reviravolta da minha vida? - Falei sem para, precisei tomar um folego no final dessa frase.
- Não me importa nada disso... Só a Alycia, é minha menina, já passei tempo demais longe dela. - Tinha dor em sua expressão.
- Você não pode me impedir Micael, é para o bem da Alycia.
- Eu protejo ela Sophia. - Ele parecia desesperado.
- Depois conversamos sobre isso. - Mudei de assunto - Meu pai me deixou sair muito facilmente de casa hoje pra encontrar com você. Aconteceu alguma coisa nova? - Perguntei e ele pareceu pensar.
- Acho que nada que seu pai saiba. - Ele falou e arrumou a gola da camisa.
- Então temos novidade, me conta Mica... - Perguntei curiosa e sorrindo. Ele parecia nervoso.
- Manu marcou a data do casamento...

4 comentários: